reposição hormonal

7 mitos e verdades sobre a reposição hormonal

A reposição hormonal é um tratamento baseado no uso de remédios capazes de repor as perdas de progesterona e estrogênio que ocorrem na mulher durante a menopausa. Seu uso é sempre muito controverso, já que há muitas dúvidas sobre seus efeitos e real necessidade. Enquanto alguns afirmam que ela ajuda a diminuir os efeitos da menopausa e evitar doenças que podem surgir como consequência de seus sintomas, outros dizem que o uso contínuo pode ser um facilitador do câncer.

Para evitar riscos, a dose é mínima e o tempo de uso desses hormônios é individualizado. Há dois principais tipos de tratamento disponíveis: somente com estrogênios, feitos para mulheres sem útero, e o com estrogênio e progesterona, que é mais comum.

Por que a reposição hormonal é usada?

A menopausa é o nome que se dá ao período fisiológico que acontece 12 meses após a última menstruação da mulher. Climatério é o período que abrange  antes e depois da menopausa. É durante o climatério que surgem alguns dos inúmeros sintomas que afetam, em diferentes graus, à mulher, de acordo com seu organismo. De um desconforto simples a momentos insuportáveis, os sintomas surgem pela diminuição da produção de hormônios.

O organismo feminino tem um número, já determinado, de óvulos disponíveis para toda a sua vida. Estes óvulos começam a ficar disponíveis na adolescência, a partir da primeira menstruação (também conhecida como menarca). Desde que nascem, as mulheres já possuem as células germinativas que formam os óvulos e quando elas começam a ficar escassas, há uma diminuição gradual e irreversível da produção de alguns hormônios.

Com a falta crescente de progesterona e estrogênio, há uma alteração física do corpo da mulher que gera os sintomas característicos do climatério e que podem ou não permanecer após a menopausa.

Mitos e verdades sobre a reposição hormonal

Para tirar as dúvidas mais frequentes, listamos os principais mitos sobre a reposição hormonal:

1 – Todas as mulheres podem e devem usar a terapia hormonal

Mito: depende da mulher, já que há algumas contraindicações, como histórico de câncer de mama ou de endométrio, sangramento vaginal não identificado, doença cardiológica ou hepática. Já em casos de diabetes, colesterol alto, pressão alta e outros devem ser avaliados através de exames clínicos.

2 – A reposição hormonal pode causar câncer de mama e derrame

Depende: há um risco de desenvolvimento de câncer, mas sua taxa é de 1,7 % apenas, segundo dados da Organização Mundial de Saúde. Existem, porém, alguns fatores que influenciam essa predisposição. A idade da paciente, o tempo desde a primeira menstruação até a última, possuir outras doenças degenerativas e o tipo de hormônio usado são os principais.

3 – A reposição hormonal para o processo de menopausa

Mito: O tratamento apenas ameniza os sintomas causados por ela.

4 – A reposição hormonal faz bem para a saúde da pele

Verdade: no climatério a pele feminina se torna mais seca, facilitando o surgimento e profundidade das rugas. Os cabelos também reagem e ficam mais finos e propensos a cair. Com a reposição, a pele fica mais hidratada e sedosa, e os cabelos e unhas também se beneficiam.

5 – A reposição hormonal aumenta a libido

Verdade: com a queda dos hormônios, um dos sintomas é a perda da libido. Com a reposição, a mulher volta a sentir desejo sexual.

6 – O uso de medicamentos via oral é mais saudável do que por adesivos.

Mito: os medicamentos orais passam pelo fígado, o que pode trazer algumas consequências, dependendo do organismo. A via de melhor administração dos hormônios é a transdérmica (pele).

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em Goiânia e Anápolis.

Dra. Lanna Gomes

Posted by Dra. Lanna Gomes